publicado por gondomaralegre2011 | Domingo, 12 Dezembro , 2010, 20:21

Peçam-lhe uma ideia de país, uma visão para o nosso futuro colectivo, e, mais vírgula menos vírgula, a resposta há-de ser qualquer coisa parecida com: “já existem palavras a mais na vida pública portuguesa e eu não vou acrescentar mais nenhuma”. É espantoso, claro, mas também é verdade. Sim: politicamente falando, Cavaco Silva é um muro.

 

Se alguém se atreve a lançar-lhe uma pergunta, um qualquer dilema político que implique uma escolha de sim ou sopas, o mais certo é que a pergunta ressalte como uma bola contra a parede. O quê, um muro de silêncio no mais alto cargo da nação? É espantoso, sim, mas também é verdade. Um muro em Belém - é isso o que nos querem vender por “estabilidade”.

 

O grande desígnio, digamos assim, da tese cavaquista seria a substituição total do político pelo técnico. Como se o mundo se autorregulasse, como se devêssemos ser todos neutros em relação à realidade, como se nos pudéssemos dar ao luxo de olhar para o lado. Não e não e não. Precisamente por isso, porque não somos neutros em relação à injustiça, à desigualdade e à desesperança, é que, nestes tempos desafiantes, não podemos deixar de escolher as “palavras demasiadas” contra o grande silêncio cúmplice.

 

De um lado, Cavaco Silva fala de “ilusão” e “utopia” como meros sinónimos. Do outro, Manuel Alegre diz que “se criar um país mais justo é uma utopia, vamos lá fazer essa utopia”. E tu, de que lado é que estás? Com as palavras que dizem ou com as palavras que calam?

 

 

Jacinto Lucas Pires

Mandatário  para Juventude

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

tags: ,



Hino Nacional
"A Portuguesa"




“Portugal é uma República soberana, baseada na dignidade da pessoa hu-
mana e na vontade popular e empen-
hada na construção de uma socieda-
de livre, justa e solidária”.
(Constituição Rep. Portuguesa-art.1º)

«O melhor que a história nos pode dar
é suscitar o nosso entusiasmo»
(Goethe).


gondomaralegre2011@sapo.pt
gondomaralegre2011@gmail.com



Biografia de Manuel Alegre





Estrutura da Candidatura

Apoiantes de Manuel Alegre











1


2


3


4


5


6


7


8


9


10


11


12


13






António Arnaut



Carlos Brito



Isabel Castro



José Niza



Toni



André Freire

Hino da Campanha



LIVRE E FRATERNO PORTUGAL


Voltar a acreditar neste País
Voltarmos a regar nossa raiz
Voltarmos a sorrir
Sem nuvens a tapar
O sol que vai brilhar no nosso olhar.

Voltar a inventar este lugar
Viver de novo a vida sem esperar
Sonhar o velho sonho
Que temos adiado
E ver este País a acordar.

Livre e Fraterno Portugal
Justo e Alegre Portugal
País feito do mar,
País feito do amor,
País do nosso sonho
Portugal

Voltarmos a cantar este País
Que espera para voltar a ser feliz
Que a Praça da Canção
Não seja uma ilusão
E possa ser refrão dentro de nós.

Livre e Fraterno Portugal
Justo e Alegre Portugal
País feito do mar,
País feito do amor,
País do nosso sonho
Portugal



Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

14

19
25

26
28
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO